A parceria entre o Sindicato dos Bancários e financiários de São Paulo, Osasco e Região e o Centro de Estudos de Conjuntura e Política Econômica da Universidade Estadual de Campinas (Cecon – Unicamp) para realizar estudos sobre o sistema financeiro brasileiro e propostas para sua transformação, cujo resultado síntese é o livro que ora apresentamos.

 

“A pobreza do debate e o discurso único de glorificação do mercado impedem qualquer possibilidade de se inverter essa lógica perversa.

Nesses anos, plantaram-se as sementes do pensamento questionador. Mas somente com o advento da crise encerra-se o ciclo de financeirização, lentamente, penosamente como em todos os processos históricos brasileiros.

A reconstrução da nova política, a recuperação do papel proativo do Estado e o aproveitamento virtuoso do mercado de capitais exigem uma espécie de exumação do cadáver do neoliberalismo estéril das últimas décadas.

Nessa linha, o livro faz talvez o melhor apanhado até agora sobre todos os passos dados pelo Brasil passando de uma economia fechada para uma economia financeira. Será uma obra de referência para futuros estudos desse processo.

Através dele será possível entender o que estava por trás de bordões como ‘fazer a lição de casa’; porque medidas aparentemente sem nexo - como a ideia de que corte de investimentos públicos ou de despesas essenciais, como saúde e educação, ajudariam o país a crescer - eram, de fato, sem nexo” - Luís Nassif 

 

Organização: Luiz Cláudio Marcolino, Ricardo Carneiro

 
Sistema financeiro e desenvolvimento no Brasil do Plano Real à crise financeira
R$27,00
Sistema financeiro e desenvolvimento no Brasil do Plano Real à crise financeira R$27,00

A parceria entre o Sindicato dos Bancários e financiários de São Paulo, Osasco e Região e o Centro de Estudos de Conjuntura e Política Econômica da Universidade Estadual de Campinas (Cecon – Unicamp) para realizar estudos sobre o sistema financeiro brasileiro e propostas para sua transformação, cujo resultado síntese é o livro que ora apresentamos.

 

“A pobreza do debate e o discurso único de glorificação do mercado impedem qualquer possibilidade de se inverter essa lógica perversa.

Nesses anos, plantaram-se as sementes do pensamento questionador. Mas somente com o advento da crise encerra-se o ciclo de financeirização, lentamente, penosamente como em todos os processos históricos brasileiros.

A reconstrução da nova política, a recuperação do papel proativo do Estado e o aproveitamento virtuoso do mercado de capitais exigem uma espécie de exumação do cadáver do neoliberalismo estéril das últimas décadas.

Nessa linha, o livro faz talvez o melhor apanhado até agora sobre todos os passos dados pelo Brasil passando de uma economia fechada para uma economia financeira. Será uma obra de referência para futuros estudos desse processo.

Através dele será possível entender o que estava por trás de bordões como ‘fazer a lição de casa’; porque medidas aparentemente sem nexo - como a ideia de que corte de investimentos públicos ou de despesas essenciais, como saúde e educação, ajudariam o país a crescer - eram, de fato, sem nexo” - Luís Nassif 

 

Organização: Luiz Cláudio Marcolino, Ricardo Carneiro