A queda para a segunda divisão foi um duro golpe para uma das maiores torcidas do Brasil. Mas seria, na prática, mais uma provação para uma nação que tem na fidelidade e no amor ao seu clube suas principais marcas. Aquele trágico 2 de dezembro de 2007 é o ponto de partida do jornalista Luís Augusto Símon para produzir um documento histórico sobre o vitorioso caminho do Timão para voltar à série A.

 

“Com textos leves, bem amarrados, gostosamente narrados, a ponto de fazer das férias forçadas da vitrine maior um alegre convescote, como se o Corinthians tivesse encarnado a simpática figura que tira dos ricos para dar aos pobres.

Sim, porque, também convenhamos, a primeira divisão acabou por sentir mais falta do Corinthians do que o Timão sentiu dela, para alegria geral e irrestrita da segundona.

Por fim, uma confissão e um compromisso: eu jamais pediria ao competente autor o direito de fazer esta apresentação; mas já que ele me deu a honra, eu prometo que jamais voltarei a fazê-la para tratar do mesmo tema.

Só que ai do Menon se ele escrever a saga do bicampeonato mundial e não me convidar” - Juca Kfouri.

 

Autor: Luís Augusto Símon

 
Saga Corintiana a maior prova de amor da fiel
R$15,00
Saga Corintiana a maior prova de amor da fiel R$15,00

A queda para a segunda divisão foi um duro golpe para uma das maiores torcidas do Brasil. Mas seria, na prática, mais uma provação para uma nação que tem na fidelidade e no amor ao seu clube suas principais marcas. Aquele trágico 2 de dezembro de 2007 é o ponto de partida do jornalista Luís Augusto Símon para produzir um documento histórico sobre o vitorioso caminho do Timão para voltar à série A.

 

“Com textos leves, bem amarrados, gostosamente narrados, a ponto de fazer das férias forçadas da vitrine maior um alegre convescote, como se o Corinthians tivesse encarnado a simpática figura que tira dos ricos para dar aos pobres.

Sim, porque, também convenhamos, a primeira divisão acabou por sentir mais falta do Corinthians do que o Timão sentiu dela, para alegria geral e irrestrita da segundona.

Por fim, uma confissão e um compromisso: eu jamais pediria ao competente autor o direito de fazer esta apresentação; mas já que ele me deu a honra, eu prometo que jamais voltarei a fazê-la para tratar do mesmo tema.

Só que ai do Menon se ele escrever a saga do bicampeonato mundial e não me convidar” - Juca Kfouri.

 

Autor: Luís Augusto Símon