Estudioso desde os anos 80 da política e dos movimentos sociais, econômicos e culturais desse imenso país de 1,35 bilhão de habitantes, Pomar mostra, com informação precisa e acuidade no tratamento de cada assunto, um panorama de referências capazes de mostrar o caminho que os chineses tomaram para sair de uma economia rural para uma nação moderna, urbana, industrializada e com forte atuação.

Hoje, ao contrário de 10 anos atrás, é possível encontrar uma oferta razoável de obras, reportagens e artigos sobre a China. Muitos deles persistem na difusão de distorções e mitos tipicamente anti-chineses. Mas já existe uma gama considerável que procura entender o que está realmente se passando naquele país. Mesmo assim, durante as Olimpíadas de Beijing, um batalhão de repórteres e analistas, que desconhecem o que era a China antes de 1949, e também antes de 1980, se esmeraram em “descobrir” os pobres, o atraso, as injustiças e outros males da sociedade chinesa.

Os chineses, por seu turno, não escondem que ainda convivem com cerca de 500 milhões de pobres, que seu desenvolvimento e enriquecimento é desigual, e que ainda se encontraram no estágio primário de construção de uma sociedade socialista. É verdade que eles nem sempre conseguem explicar como capitalismo e socialismo podem conviver na ambiguidade paradoxal de uma “economia de mercado” socialista, com características chinesas. Ou tornar evidentes todos os perigos que rondam uma experiência desse tipo, além da corrupção e de outros fenômenos típicos das economias de mercado, em especial da “economia de mercado” capitalista.

Tendo em consideração todos esses aspectos contraditórios, a presente coletânea reúne textos diversos, publicados nos últimos anos, em jornais e revistas, grande parte deles no Correio da Cidadania, a respeito das polêmicas geradas pela experiência chinesa de reformas no socialismo. 

 

Autor: Wladimir Pomar

 
China Desfazendo Mitos
R$29,90
China Desfazendo Mitos R$29,90

Estudioso desde os anos 80 da política e dos movimentos sociais, econômicos e culturais desse imenso país de 1,35 bilhão de habitantes, Pomar mostra, com informação precisa e acuidade no tratamento de cada assunto, um panorama de referências capazes de mostrar o caminho que os chineses tomaram para sair de uma economia rural para uma nação moderna, urbana, industrializada e com forte atuação.

Hoje, ao contrário de 10 anos atrás, é possível encontrar uma oferta razoável de obras, reportagens e artigos sobre a China. Muitos deles persistem na difusão de distorções e mitos tipicamente anti-chineses. Mas já existe uma gama considerável que procura entender o que está realmente se passando naquele país. Mesmo assim, durante as Olimpíadas de Beijing, um batalhão de repórteres e analistas, que desconhecem o que era a China antes de 1949, e também antes de 1980, se esmeraram em “descobrir” os pobres, o atraso, as injustiças e outros males da sociedade chinesa.

Os chineses, por seu turno, não escondem que ainda convivem com cerca de 500 milhões de pobres, que seu desenvolvimento e enriquecimento é desigual, e que ainda se encontraram no estágio primário de construção de uma sociedade socialista. É verdade que eles nem sempre conseguem explicar como capitalismo e socialismo podem conviver na ambiguidade paradoxal de uma “economia de mercado” socialista, com características chinesas. Ou tornar evidentes todos os perigos que rondam uma experiência desse tipo, além da corrupção e de outros fenômenos típicos das economias de mercado, em especial da “economia de mercado” capitalista.

Tendo em consideração todos esses aspectos contraditórios, a presente coletânea reúne textos diversos, publicados nos últimos anos, em jornais e revistas, grande parte deles no Correio da Cidadania, a respeito das polêmicas geradas pela experiência chinesa de reformas no socialismo. 

 

Autor: Wladimir Pomar